Estudos

“Jesus sabia que o Pai lhe dera autoridade sobre todas as coisas e que viera de Deus e voltaria para Deus. Assim, levantou-se da mesa, tirou a capa e enrolou uma toalha na cintura. Depois, derramou água numa bacia e começou a lavar os pés de seus discípulos, enxugando-os com a toalha que estava em sua cintura.” João 13:3-5

Jesus ensinou que, no mundo natural, os homens lutam para serem servidos, inclusive repreende seus discípulos por discutirem qual deles seria o maior. Vivemos em um mundo egoísta, onde todos querem ser servidos, mas Jesus nos ensina que para romper no sobrenatural precisamos abrir mão do nosso ego e viver uma vida de serviço sobre o natural. O serviço não deprecia quem o faz, pelo contrário, só reafirma o valor de quem teve a iniciativa de servir os outros.

Em João 13, os discípulos pareciam estar “chocados”, principalmente Pedro, com a determinação de Jesus em servi-los lavando seus pés, mas “Jesus sabia que o Pai lhe dera autoridade”, ou seja, Jesus sabia que sua autoridade havia sido dada dos Céus, de cima, a autoridade de Jesus era sobre o natural.

Entendemos que o Reino de Deus é baseado na cultura do serviço. Em Hebreus 1:14, por exemplo, diz que os “anjos são apenas servos, espíritos enviados para cuidar daqueles que herdarão a salvação”. O Senhor, em Lucas 22:25-27, ensina que quem vive no natural quer ser servido, mas quem rompe no sobrenatural entendeu a cultura do Reino de Deus. O próprio livro profético de Isaías se refere a Jesus como o “servo sofredor”.

Somente aqueles que rompem no sobrenatural conseguem abrir mão de suas vontades para servir o propósito de Deus. Quando servimos nos parecemos mais com nosso Pai e rompemos no sobrenatural!

Desde lavar a louça ou o carro para seus pais, levar sua esposa para jantar, ou fazer a refeição favorita para seu marido, dar carona para alguém ou comprar alimentos para alguém menos favorecido, todo serviço de coração inteiro manifesta as virtudes do Pai.

Quantas pessoas você servirá hoje sem esperar receber nada em troca?